Não será eterno, posto que é chama

Não será eterno, posto que é chama.

Eu sempre estive atrás do amor verdadeiro. Aquele de filme, sabe?
Eu sempre me apaixonei fácil: eu estava apaixonada por um coleguinha de classe, por um vizinho, pelo cara da padaria, por algum professor. Meu coração estava sempre ocupado com alguém. Mas para mim, aquilo não era amor. Eu não sentia como amor e o fato de eu me desapaixonar cinco segundos depois era a certeza de aquilo não podia ser amor. Eu andei anos procurando pelo famigerado amor. Eu namorei, fiquei, peguei, transei… Mas nada daquilo era do tamanho que eu acreditava que o amor deveria ser. Então, me convenci de que amor era coisa de novela. Eu não vivia em um romance da Jane Austen. Não teria Sr. Darcy na minha história e durante muito tempo eu estive muito bem com isso. Paciência.

Entretanto, como as melhores mudanças na vida acontecem de repente e sem explicação, um cara que eu já conhecia – sabia da existência – me mandou uma mensagem no Facebook um tanto quanto estranha e sem sentido. Mas esta mensagem foi o primeiro passo na minha descoberta de que existe amor sim. Não foi a primeira vista. O primeiro beijo saiu depois de dois encontros, quando eu já estava certa que não rolaria nada entre a gente. No início eu tive medo de que ele não gostasse de mim. Eu gosto que gostem de mim. Depois, eu tive medo de que eu não gostasse dele, afinal. E no momento que realizei que o amava, eu entrei em pânico porque achei que o amava demais.

E esse amor foi/é do jeitinho que eu acreditava que ele tinha que ser: sem interesse, sem justificativa, sem precisar de qualificação. Entenda, ele – meu namorado – tem inúmeras qualidades e, claro, muitos defeitos. Mas as qualidades não fazem com que eu o ame mais e os defeitos não fazem com que eu o ame menos. Eu simplesmente o amo. E ele está longe de ser a imagem do meu sonhado príncipe encantado, sendo piegas, ele é bem melhor.

Depois de ter forçado tanto. Na maioria das vezes, me forçado a acreditar que eu estava em uma relação certa. Que era aquilo ali o máximo de amor que eu sentiria, mesmo que eu achasse que tinha algo faltando… Eu percebi que quando é certo, a gente não força. Só acontece. Se você não está 100% feliz com você mesmo e com o cara/ a mina que está do seu lado, tudo bem. Não é para ser. Não se preocupe, não se sinta mal. Você vai achar alguém que te transborde. E o que eu desejo a você, assim como desejo a mim, é que – mesmo que dure apenas cinco minutos – seja infinito porque será bom o bastante para se tornar inexquecível.


Deixe uma resposta