Browse Category

Cultural

Primeira pessoa versus Terceira pessoa

Oi gente!
Estava pensando esses dias sobre os diferentes métodos de escrita. Como vocês devem saber, eu tenho dois ebooks disponíveis na Amazon e estou trabalhando no terceiro, que é o livro II da série Verdadeira. Bom, dito isso, vamos ao que interessa. Nessa minha pequena estrada com livros, li quase 150 livros – vejam quais aqui no Skoob/GoodReads – e, esses livros tiveram recursos de escrita distintos. Os mais comuns são narração em primeira pessoa ou em terceira pessoa. E afinal quais as diferenças?
Em primeira pessoa temos um livro escrito do ponto de vista de um personagem. Sabemos das informações ais quais ele tem acesso e vemos o mundo da maneira como ele vê o mundo. O que pode ser muito bom, especialmente quando há tramas acontecendo sem que esse personagem saiba de modo que lidamos com o elemento surpresa, como por exemplo em A Rainha Vermelha.
Ultimamente, grande parte do que eu tenho lido, é escrito em primeira pessoa. Um recurso muito comum nos Young Adults – Kiera Cass, Victoria Aveyard, Suzanne Collins…
Já em terceira pessoa temos a narrativa toda feita diretamente pelo autor. Ele está contando a história como um espectador de fora, não faz parte do enredo. A maior parte dos livros que eu li foram escritos assim, e inclusive eu escrevo desse jeito. Gosto que todos tenham acesso a todas as informações e aos pensamentos dos personagens em geral. Parece-me mais completo, mesmo que talvez não seja. Meus autores queridos desse tipo de escrita são Agatha Christie, Sidney Sheldon, John Grisham…
É claro que sei que existem histórias que pedem por uma narrativa em primeira pessoa ou em terceira. Realmente acredito que seja uma questão de direcionamento e que pode fazer toda a diferença em como a história é lida e contada. Há o meu extremo máximo que é Crônicas de Gelo e Fogo, onde a narrativa é em terceira pessoa e primeira pessoa ao mesmo tempo, sendo que em cada capitulo um narrador diferente é eleito.
E você, qual seu tipo preferido de escrita?

Créditos de Imagem

9HorasEmSampa: Estação da Luz!

Gente, algumas semanas atrás ocorreu aquele incêndio na Estação da Luz, no Museu da Língua Portuguesa que eu não conheci. Deixei a estação da luz por último justamente porque a graça dela aparece a noite. 
A Estação da Luz é uma Estação mesmo, de trem. É uma fofa, apesar de ser muito mais bonita por fora e o ambiente nos arredores ser meio estranho e um pouco assustador. Mas valeu a pena ter ido lá, me senti bem. Adorei o relógio da torre. Infelizmente, como fui a noite o Museu estava fechado e agora não sei quando e se terei oportunidade de conhecê-lo. 🙁 
Considerações finais
Bem, eu adorei São Paulo e tirei um pouco dos meus preconceitos com a cidade e com os paulistas, apesar de ainda achar que não é bolacha É BISCOITO. Brincadeiras e mini problemas a parte foi muito legal para mim e me senti muito bem conhecendo a cidade. O metro de São Paulo é super ótimo, se comparado com o Rio, cobre praticamente tudo e tem absolutamente toda hora. Claro que estava cheio, mas não importa. E, diferente do Rio, quando você compra passagem de metro avulsa são uns mini cartões magnéticos, tipo esse da foto abaixo. 
Quero VOLTAAAAR e tomar mais cafés na Av. Paulista e ter essa curiosa sensação de estar em casa. Não sei se disse, mas São Paulo me lembra muito petrópolis no clima e tudo o mais. E eu amei o fato de terem tantos relógios analógicos em todos os lugares! 
Espero que vocês tenham curtido minhas 9 horas em Sampa!
Beijos

9HorasEmSampa: Liberdade

Ain gente, continuando meu dia por São Paulo! Amei a Liberdade, realmente me tinham falado que lá era diferente de tudo que eu já tinha visto e sim, foi verdade! 
Cheguei por lá de metro e desci na estação com o nome do bairro mesmo. De cara, na saída do metro vi umas pessoas comendo o que parecia um churros maravilhoso, sou gorda e é fato que eu quis comer. Mas não sabia onde que vendia, porém não foi tão difícil de achar. Cheguei no trailler do Churros Ostentação e pirei total! Foi caro? SIM! Fiquei suja? CLARO! Valeu a pena? QUERO OUTRO AGORA! Tem vários sabores mas eu quis esse ai da foto, que é recheio de doce de leite com cobertura de nutella e castanhas! YUMMY! 
Dando sequência ao objetivo de ter ido até a Liberdade, além de conhecer mesmo. Lá é super fofo, e tem um clima diferente do resto de SP, além é claro do mundo de chineses e descendentes. Eu já tinha dado uma procurada no Google e fui em um restaurante tipicamente chinês. Para comer alguma coisa tradicional! Fui ao Aska, foi fácil de achar porque eu tinha o endereço, mas não tem nenhuma placa. Já tive que ficar na fila de espera, e depois de um tempo fui chamada. Particularmente achei eles meio antipáticos, mas pode ser coisa minha. Tinha um ou outro chinês mas a maioria não era. O cardápio não é muito longo e eu tinha a sensação que era tudo a mesma coisa! Pedi uma sugestão ao garçom e ele falou pra eu pegar o prato mais completo, que custou 16 reais, barato. 
Eu vi todo o preparo, porque eu estava no balcão de frente pra cozinha. Eles colocam o caldo, e depois vão jogando as coisas dentro da vasilha, tudo já está pré pronto e foi cozido separadamente. Me serviram essa tigela ai da foto. 
A principio foi muito estranho para o meu paladar, senti falta de tempero, sal e cozimento junto, porque diferentemente de uma sopa, nesse nissin tudo é cozido separado então eles tem os seus gostos individuais. Eu não estava com muita fome por causa do churros e foi estranho ao meu descostumado paladar, mas insisti e até que comi bastante, depois de um tempo passou a ficar gostoso. O problema foi o terrível broto de feijão que eu detesto DEMAIS! Ai acabou comigo e eu não sabia que ele estaria lá. Como amei comida japonesa de cara, acho que com a comida chinesa vou ter que comer mais vezes para acostumar. Eu pedi guioza também e adivinhem? Odiei. Nunca tinha comido antes. Depois comi em um Japa daqui de Petrópolis e surpresa! Não gostei também. ahhahaha
Assim como nos entornos da Igreja da Sé, os sinais para pedestres são diferentes. Achei uma graça. 
Semana que vem tem mais de Sampa! Beijos!

Feliz 2016!

Ei gente, estou de volta do meu micro recesso do blog e já estava morrendo de saudades!
Nesse ano de 2016, as colunas serão da maneira que segue abaixo. Eu vou tentar postar em todas as colunas toda semana, mas pode ser que não dê por uma série de motivos, mas especialmente por falta de assunto.. Logo, se tiver assunto, vai ter post!
Grande beijo e continuem me acompanhando. 🙂

Domingo: Vídeo no Canal do Blog!
Segunda: Resenha de Filme
Terça: Séries no Ar
Quarta: Resenha de Livro
Quinta: Projeto Marvel*
Sexta: Cultural
Sábado: Séries Canceladas #

* O Projeto Marvel vai de acordo com o lançamento das séries e filmes, então, ele vai sequencial até a última semana de fevereiro e depois só volta em Maio com o lançamento de Capitão América 3.

#Não tenho previsão de terminar nenhuma série que já tenha acabado, e tampouco das séries que estão no Ar sejam canceladas, então essa coluna vai ficar meio parada. 🙁

9HorasEmSampa: MASP

Saindo do Ibirapuera eu fui pro MASP, peguei um ônibus, voltei para a Igreja da Sé e ai peguei metro para o MASP! Maior volta do universo, mas foi o jeito mais seguro que eu descobri! hahahaha Me julguem, paulistas. 🙂

O Masp é o Museu de Arte de São Paulo. Tem 3 andares e do térreo para o primeiro andar só de elevador. O prédio é bem legal eu super curti. Os outros dois andares são subterrâneos. No dia que eu fui lá tinha uma exposição de pinturas, passando por vários artistas famosos: Monet e tal (conhecedora de artes eu, rs). Uma outra exposição de roupas, uns vestidos lindos e maravilhosos e uma outra de desenhos encriptografados da época da Ditadura! yay. 
A segunda imagem eu fui anta e não vi de quem era o quadro, mas amei porque o cachorrinho é bem parecido com o Pedrin – meu york. 🙂 
Em janeiro continuamos com o #9HorasEmSampa Beijos!

#9HorasEmSampa: Parque Ibirapuera

Continuando minhas andanças por SP! Cheguei ao meu quarto lugar escolhido a dedo em Sampa. Da Igreja da Sé pra lá eu peguei um ônibus. E olha, foi difícil achar o ponto certo do ônibus. Mas consegui graças a ajuda de paulista simpáticos. 
O Parque do Ibirapuera é GIGANTESCO! Simples assim. Eu não consegui andar por ele todo, mas ele fica numa parte tranquila da cidade – segundo olhei – e tem uma área verde extensa e também um lago. Dentro do parque existem várias atrações culturais, museus, um planetário e etc. Fui durante a tarde, então tinha gente correndo, passeando com cães, andando de bicicleta, andando de skate e por ai vai. 

Para maiores informações sobre o que o parque oferece acesso esse  link.

Semana que vem tem mais!