Inacreditáveis – Sarah Shepard

Com esse são 4 livros lidos da série. Só felicidade até o momento.

Sinopse

“No quarto livro da série Pretty Little Liars, a vida charmosa das quatro amigas se torna um verdadeiro pesadelo. Emily foi morar com seus primos ultraconservadores. O namorado de Aria está atrás das grades – por causa dela. Spencer pode estar envolvida no sumiço de Alison. E Hanna luta por sua vida no hospital porque sabia demais.”

Minhas impressões

Eu gostei bastante desse livro, apesar de a leitura ter sido um pouco mais difícil que dos outros. A Hannah foi atropelada no final do terceiro e o quarta começa com ela no hospital e com Emily na casa de uma tia em outro estado. Maior loucura. No livro, a Hannah perde a memória e não lembra do que aconteceu no dia do acidente. Logo, não se lembra nada do aniversário de Mona e da humilhação que passou. O livro termina com as meninas todas em Rosewood.

Em relação a série tem algumas diferenças, né? A óbvia, que Emily nunca foi para outro estado e o Ezra nunca foi preso. Ele é preso no livro, SIM! Eu fiquei chocada. hahahaha Denuncia do então namorado da Aria, Sean. Na série eles nunca namoram, né?

É no quarto livro que A é revelada. Mesma da série. 🙂 MAS tem um A novo no pedaço e esse eu ainda não sei quem é.

O meu é ebook

Páginas: 352
Ano: 2011
Editora: Rocco
Avaliação:

Perfeitas – Sarah Shepard

Terceiro livro da série PLL. 🙂
Por enquanto foi o que eu mais gostei. Tanto pelas suas enormes diferenças em relação a série quanto pelas suas particulares semelhanças nos acontecimentos.

Sinopse do livro

“Em uma cidade onde a fofoca prospera como a hera que se agarra a suas mansões, onde mistérios estão por trás de cercas bem cuidadas e os esqueletos se escondem em cada closet, quatro meninas de aparências perfeitas não são tão perfeitas quanto aparentam.

Três anos atrás, Spencer, Aria, Emily, Hanna, e sua melhor amiga Alison foram as meninas em Rosewood Day School. Eram vistas pelos corredores nos seus apartamentos, bronzeadas em seus biquínis Pucci, e rindo com suas unhas recém-cuidadas. Eram as meninas que todos adoravam, mas que secretamente odiavam, especialmente Alison.

Então, quando Alison desapareceu misteriosamente uma noite, o luto de Spencer, Aria, Emily e Hanna foi tingido com … alívio. E quando o corpo de Alison foi descoberto mais tarde em seu próprio quintal, as meninas foram forçadas a desenterrar algumas más lembranças de seu velho amigo, também. Poderia haver mais da morte de Alison que ninguém percebeu?

Agora alguém chamado A, alguém que parece saber tudo, está apontando o dedo para elas pelo assassinato de Ali. Assim descobrindo seus segredos mais sombrios e tornando seus escândalos mortais, A está prestes a arruinar suas vidinhas perfeitas para sempre.”

Minhas Impressões

É muito complicado falar sobre os livros individualmente porque é pouco tempo em cada um. Do começo do primeiro até o final do terceiro passou um mês. Loucura, né? E aí, falar a respeito sem dar spoiler é foda. Mas falando em termos gerais, o livro tem a mesma ideia que os outros… Tranquilo de ler, é sentar e ler. O que nem sempre é bom porque a gente acaba largando a vida para poder ler. Entretanto, não são esses os melhores livros? A gente, que está no projeto de leitura da série PLL, começou a ler o quarto livro agora. Estu ansiosa para terminar mas está faltando TEMPO, amigos.

Beijos!

Minha edição é ebook.

Páginas: 312
Ano: 2011
Editora: Rocco
Avaliação:

Os 13 porquês – Jay Asher

Apareceram muitos comentários sobre esse livro depois que Selena Gomes postou no Instagram que produziu a série de mesmo nome. A série será lançada dia 31/03 na Netflix.

Parti para o LêLivros e li no Kindle.

Sobre o livro

“Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com fitas cassetes narradas por uma colega de classe, nas quais ela explica por que cometeu suicídio. Ele precisa ouvir tudo para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.”

Minhas impressões

Então, eu comecei a ler com uma certa expectativa. Acreditei que o livro seguiria um padrão que foi meio que apresentado no começo. A garota morta contaria como 13 pessoas contribuiram para que ela se matasse. Aí já achei meio injusto porque é complicado responsabilizarmos terceiros pelos nossos próprios atos. Mas ok. Fui lendo o livro, e ele é bem escrito e tudo o mais. E prende. Prende muito. A mim, talvez, porque eu queria ver até onde a história chegaria. Porque eu queria saber onde o narrador se enquadrava. Porque eu queria saber o quão ruins aquelas pessoas eram. O mais cômico é que a única pessoa que eu acho que deveria ter entrado na lista e recebido as fitas, foi deixada de fora. A garota morta justifica essa atitude. Mas não me convenceu.

A história mostra como pequenas coisas podem desencadear efeitos catastróficos, numa espécie de efeito borboleta. A Hannah – a garota que se matou – tem algum problema psicológico e eu digo isso porque inicialmente o que ela passa são coisas sem “muita importância” mas que para ela são extremamente grandes. E digo isso por experiência. Eu sofro de ansiedade. Daquela ruim. Eu tenho crises horrorosas. O acumulo de coisas vai me destruindo até eu ter um ataque por causa de “bobagem”. Vivendo isso eu sei que a Hannah tinha que ter algum problema, assim como eu tenho. Porque eu realmente sei que não passei por nada que fosse traumático o suficiente para desencadear crises de ansiedade. Eu sempre fui assim, desde que me lembro. É uma condição. Então, o que seria encarado com bom humor e umas caras feias por outras pessoas – e realmente foi – acabou sendo demais para ela. Pelo menos tive essa impressão porque não foi explicado por quanto tempo e qual intesidade as fotos ocorreram.

Eu, particularmente, esperava um drama enorme. Eu estava esperando ler sobre uma dor inconcebível. Bem.. não veio. As coisas realmente ruins aconteceram a outras pessoas. Mas a Hannah teve que lidar com isso, e talvez lidar realmente seja o pior. Quando o pior acabou por acontecer a ela, foi porque ela permitiu. Segundo o que eu entendi, permitiu porque ela queria ter uma justificativa para fazer o que fez. Apesar de todos os meus problemas de ansiedade, eu tenho pavor da morte. Morrer é algo que me causa calafrios. É de longe e LITERALMENTE a última coisa que eu quero para mim.

Chegar ao ponte de tirar a própria vida é sinônimo de um desespero que eu acredito que só quem comete tal ato é capaz de entender. Eu gostei muito da mensagem do livro. A gente pode salvar uma vida todo dia sendo apenas legal. Empatizando com as pessoas. Lendo os sinais. Perguntando se elas estão bem, e realmente querer saber a resposta. E, por outro lado, a gente pode destruir alguém com coisas que achamos idiotas, mas que para o outro é o mundo todo. A ideia do livro também é atentar a pessoas com claros sinais de “pensamentos de suicídio”. Os sinais estão no final desse post.

Diferente da ideia final que o livro passa, não acredito que possamos encontrar – no caso do livro – um único responsável pelo o que levou Hannah a se matar. Até porque ela faz questão de dizer que são muitos os responsáveis. E realmente o final me perturbou um pouco. Na verdade a última pessoa da lista dela. Acredito que ela foi até onde achou que podia. Deu o conselho que cabia dar. Realmente acho que não havia mais nada que ela pudesse sugerir ou impor.

Este, defitivamente, é um livro complicado de ter uma única opinião a respeito. Eu já li outros livro sobre suicídio juvenil (Por Lugares Incríveis) e eu abracei o livro e o entendi e o compreendi e aceitei. Os 13 porquês tá sendo mais difícil.

Caso eu assista a série, faço post mais para frente.
Beijos!

Autor(a): Jay Asher
Páginas: 256
Ano: 2009
Editora: Ática
Avaliação:

“Todo mundo está lutando uma batalha que você não sabe nada a respeito. Seja gentil sempre.”

6 Sinais de pensamento suicida

#GIRLBOSS – Sophia Amoruso

Dias atrás eu vi um trailler de uma série nova que ia rolar na Netflix esse ano. A série era sobre como uma mulher começou vendendo peças de roupa no ebay e acabou com uma empresa avaliada em 100 milhões de dólares. História verídica, anotei na mente para assistir quando estreasse.

Uma semana passou, estava olhando o feed do facebook e apareceu uma postagem em um dos grupos literários que eu estou. Alguém falando de um tal livro #GirlBoss que era #lifechanging. Dei uma lida na sinopse e linkei com a série. “É a mesma história”. Perguntei no post à leitora se não era o livro que baseou uma série que ia estrear e tal. Ela me respondeu que achava que não. Como eu gosto de ter certeza, procurei no Google – podia ter feito isso ao invés de perguntar? Claro! Mas não fiz – e tcharam! Era mesmo o que eu estava pensando. Por razões que eu não sei explicar fiquei encafifada e quis ler o livro para ontem. Lembrando que eu tenho 300 livros para ler aqui em casa.

Achei o ebook em inglês e parti para cima dele mesmo.

Sobre o Livro

“Sophia Amoruso passou a adolescência viajando de carona, furtando em lojas e revirando caçambas de lixo. Aos 22 anos ela havia se conformado em ter um emprego, mas ainda estava sem grana, sem rumo e fazendo um trabalho medíocre que assumiu por causa do seguro-saúde. Foi aí que Sophia decidiu começar a vender roupas de brechó no eBay. Oito anos depois, ela é a fundadora, CEO e diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares, com mais de 350 funcionários. Além da história de Sophia, o livro cobre vários outros assuntos e prova que ser bem-sucedido não tem nada a ver com a sua popularidade; o sucesso tem mais a ver com confiar nos seus instintos e seguir a sua intuição. Uma história inspiradora para qualquer pessoa em busca do seu próprio caminho para o sucesso.”

Minhas impressões

Cara, vamos lá. Todas as reviews que eu vi desse livro deram 5 estrelas e falaram: ” MEU DEUS, mudou minha vida. Agora estou super bem e disposta a ganhar o mundo.” Parabéns. Eu apenas me senti mal. Vou contextualizar.
A Sophia escreve muito bem, como se tivesse conversando com a gente tomando uma cerveja. Só felicidade! Aí ela conta a história dela e de como ela nunca se enquadrou ao sistema de educação e tal. Ela coloca de um jeito muito poético “nem todo mundo é igual e vai achar o normal bom”. Beleza. Não discordo, mas também não é bem assim.
Na adolescencia ela estudava em casa e por isso começou a trabalhar em um monte de subempregos. Bacana, mas muito pouco possível no Brasil. Ela cagava pros empregos que tinha e que sempre acaba perdendo, tinha um sistema muito bom para roubar coisas e, pelo o que eu entendi, ia vivendo assim. Até que um belo dia, ela precisava de dinheiro, não tinha nenhum trabalho em vista e resolveu vender uma roupa no ebay.

Ela comprou uma roupa que era considerada ‘vintage’, escolheu o nome de Nasty Gal e colocou no ebay para vender num sistema de leilão. Deu certo. E ai, ela começou a comprar e vender mais coisas. Segundo ela, durante mais de um ano ela viveu para isso. LOUCAMENTE comprando e vendendo. Ela tinha um sistema muito bom porque sabia como vender as peças, se preocupava com a qualidade, aparência, se dedicava as fotos. Realmente ela fez um ótimo trabalho de modo que ela sobressaiu e conseguiu começar um negócio disso. Eu fiquei realmente impressionada. Esse papo rola até metade do livro onde ela fala onde chegou.

Depois, ela começa a dar conselhos sobre o que fazer e como se comportar e que tipo de pessoas elas não leva a sério, quem ela contrata ou deixa de contratar. Meio chato, até porque senti que foi mais do mesmo. “Faça isso, seja isso, não seja aquilo.” Teve uma parte que eu achei curiosa na qual ela diz que se chegar alguém para uma entrevista e essa pessoa fez cinco anos de estágio ela acha legal mas não contrata porque se a pessoa fez isso é porque não precisa trabalhar. Hein? Talvez seja diferente nos EUA, mas eu acho que se você está procurando um emprego é porque você PRECISA trabalhar. A maioria das pessoas trabalha por necessidade e não por diversão.

Um pouco antes ela diz que não acredita em sorte. Eu concordo que é ridiculo você dizer que ‘fulano conseguiu porque teve sorte’. Se fulano estivesse em casa dormindo ao invés de corres atrás a sorte não teria chegado. PORÉM, tem um mundo de gente que sempre correu atrás e que vai continuar correndo porque não consegue. Essas pessoas so tem azar? É muito dificil mensurar esse tipo de coisa.

Não me entendam mal, o livro é legal. Dá pra ler rápido e foi bacana saber da vida de uma pessoa que começou com 50 dólares e hoje tem 100 milhões. Mas isso foi com ela. Não vá correndo ler o livro acreditando que nele está uma receita mágica que fará você ser milionário daqui dois anos. É apenas sobre o que deu certo para ela. Ela começou assim e foi ótimo como também poderia ter sido péssimo. É muito bom ver uma mulher de sucesso porque nós sabemos que as coisas tendem a ser mais difíceis para nós.

No final do livro ela vem com um papo que todo mundo já sabe que aquilo serviu para ela e que 80% dos empreendedores falham. E isso não tem a ver com eles terem trabalhado mais ou menos. Ela também diz que não importa aonde você esteja é preciso se dedicar ao trabalho que você tem, mesmo que você não goste dele. Mas que você saiba onde quer chegar e faça de tudo para sair de onde você não está para onde você quer estar. Uma coisa que eu gostei e vou levar para mim é que ela diz que às vezes mentalizamos tanto que algo ruim vai acontecer que acabamos ‘conjurando’ aquilo. E eu acho que é bem assim para mim, eu estou sempre tão certa do pior – numa forma de defesa contra decepções – que acabo atraindo o que não é bom.

Foi isso tudo que eu achei do livro! Recomendo que vocês leiam e tiram suas próprias conclusões e espero que tirem pelo menos um ensinamentozinho de bom, igual eu tirei.

Beijos!

Autor(a): Sophia Amoruso
Páginas: 256
Ano: 2014
Editora: Penguin
Avaliação:

ATUALIZAÇÃO

Acabo de assistir a série, e chorei horrores! Teve muita coisa diferente do livro, mas a essência foi muito bem mantida. A série foi super bem produzida, como tudo o que a Netfliz faz, aliás! Não sei se vai ter segunda temporada mas ia ser uma ótima!

Meus livros estão grátis na Amazon até dia 05/11/2016

Oi, pessoas!
Está rolando mais uma vez aquela promoção marota da KDP Select da Amazon.
No período de 27-31/10/2016 meu livro de Crônicas estará grátis. E depois no período de 01-05/11/2016 será a vez de Encontros (segundo livro da Série Verdadeira).

Os links são esses:
Crônicas;
Encontros

Baixeeem e leiam, óbvio! Para quem não sabe como funciona eu explico tudo aqui.

Cicatrizes de Aço – Victoria Aveyard

Esse é o segundo conto das série A Rainha Vermelha. Cicatrizes de Aço é a visão da Capitã Farley.

Confesso que achei o conto bastante chato. é muito técnico, falando das operações da Rebelião Vermelha. BORING toda vida. Começa em algum momento da vida e vai até a Prova Real que é o início de Rainha Vermelha.
É é bem apenas isso que eu tenho a dizer a respeito. Só teve uma coisa bem legal que quem leu A Rainha Vermelha já deve suspeitar, o irmão da Mare, Shade Barrow também tem poderes. Deve ser uma coisa de família. E o poder dele é MUITO MAIS legal! hahahahaha. Leiam!
Minha edição é no Kindle! 🙂 Compre o seu aqui.

Autor(a): Victoria Aveyard
Páginas: 98
Ano: 2015
Editora: Seguinte
Avaliação: